desenvolvido por: 

parceiros: 

02 - CAPIM BARBA-DE-BODE

Aristida jubata (Arechav.) Herter (POACEAE)

02 – Capim barba-de-bode – Aristida jubata (Arechav.) Herter (POACEAE)

 

Planta perene, de 40 – 80 cm, colmos e folhas agrupados em fascículos. Bainha foliar com o colo sem pelos, folhas de 15- – 25 x 0,05- – 0,1 cm, sem pelos, retas e finas. Inflorescência do tipo panícula, de 20 – 30cm. Floresce de setembro a junho.

 

A imagem clássica da savana são extensos campos de capim. Encontrei um terreno onde era possível andar no meio deles, e ter a sensação de estar fora da cidade, algo irônico para uma planta que foi tão comum na paisagem paulistana. Na Praça da Nascente era a espécie predominante antes da urbanização, quando o lugar ainda era chamado de Morro do Careca. Moradores antigos reconheceram os exemplares que reintroduzimos.

Distribuição: Do Mato Grosso ao Rio Grande do Sul, em cerrado, campo seco e em cerradão.

Situação em São Paulo: Ocorre eventualmente em terrenos baldios na periferia, no Rodoanel Metropolitano de São Paulo e beiras de rodovias. No passado, formava densos maciços, mas hoje essa visão se tornou difícil.

Como plantar: O transplante tem que ser feito levando-se em conta uma área bem generosa de terra ao redor do torrão e é preciso ter cuidado para não afetar a raiz, que é bem delicada. Na hora de plantar, fazer uma cova generosa, com uma base de terra fofa que ajude a raiz se desenvolver. Desde os primeiros dias, regar diariamente, mantendo a terra e a folhagem úmidas até a planta se adaptar. Deve-se plantar sempre em grupos eventualmente associados a plantas de baixo porte, como macela, pixirica, araçá, e outros capins, como o rabo-de-burro, sempre com sol direto.

Usos: Planta com grande potencial ornamental devido ao seu aspecto entouceirado, porte baixo e extrema resistência à seca. Com suas folhas é possível fazer artesanato. Segundo o Seu Miguel, morador veterano da região, antigamente era colhida no Morro do Careca para ser usada como recheio para espantalhos e bonecos para a malhação do Judas, costume que acabou junto com a planta na cidade. Também era usada para fazer guirlandas nas festas de São João.

LONGHI-WAGNER, H.M. (COORD.) POACEAE. IN: LONGHI-WAGNER, H.M. ET AL. FLORA FANEROGÂMICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. INSTITUTO DE BOTÂNICA, SÃO PAULO, VOL. 1, PP: 1-281, 2001.