desenvolvido por: 

parceiros: 

48 - COPAÍBA

Copaifera langsdorffii Desf (Leguminosae)

48- Copaíba – Copaifera langsdorffii Desf (Leguminosae)

Árvore de até 35 m de altura, de folhas alternas, compostas, de 3 a 5 folíolos tanto opostos quanto alternos, sem pilosidade e com os brotos avermelhados. As flores são brancas, pequenas, hermafroditas, reunidas em panículas terminais. Os frutos são do tipo folículo com uma semente preta envolvida por um arilo de cor laranja.

O nome científico dessa árvore elegante faz referência ao Barão de Langsdorff e sua famosa expedição. Era o século XIX, o auge das expedições científicas e artísticas, e ele foi responsável por trazer ao Brasil o pintor Johann Moritz Rugendas, que acabou se desentendendo com o Barão, e se demitiu passando a viajar por conta própria. A expedição prosseguiu e o Barão marcou seu nome na planta, enquanto que seguindo outra rota, Rugendas com seus desenhos refinados, fez registros preciosos das paisagens onde ela existia, antes de desaparecerem para sempre com o desenvolvimento do pais. Certamente esses locais se foram junto como uma grande variedade de espécies que nunca vamos conhecer.

A copaíba, que já foi mais comum, ainda resiste.

Distribuição: Do Pará, Tocantins e Ceará até o Paraná. típica em zonas de transição entre o cerrado e a mata atlântica.

Situação em São Paulo: Usada no paisagismo urbano de forma esparsa, rara na cidade.

Como plantar: Compartilho com meu amigo Tiago Queiroz o gosto pelo hardcore e pelas plantas. Tiago vive acordando sementes de plantas raras, como a copaíba, que deixa em um copo de água de um dia para o outro e depois, com a casca mole, dá uma raspadinha na semente. Depois disso é só plantar, mas na dúvida ele coloca alto seu velho vinil do Corrosion of Conformity. Se a planta gostou da música não sei, mas germinou, cresceu e foi plantada no Cerrado Infnito.

Usos: Produz óleo comprovadamente medicinal, além de ser usada como melífera e no paisagismo. Das cascas se extrai corante amarelo para tinturaria.

 

ALMEIDA, SP DE ET AL. CERRADO: ESPÉCIES VEGETAIS ÚTEIS. PLANALTINA: EMBRAPA-CPAC, V. 464, 1998

PEDRONI, F.; SANCHEZ, M.; SANTOS, F. A.M. FENOLOGIA DA COPAÍBA (COPAIFERA LANGSDORFFII DESF.–LEGUMINOSAE, CAESALPINIOIDEAE) EM UMA FLORESTA SEMIDECÍDUA NO SUDESTE DO BRASIL.REVISTA BRASILEIRA DE BOTÂNICA, V. 25, N. 2, P. 183-194, 2002.

SCATIGNA, ANDRÉ VITO ET AL. CHAVE DE IDENTIFICAÇÃO BASEADA EM CARACTERES MORFOLÓGICOS VEGETATIVOS DE ANGIOSPERMAS LENHOSAS DOS CERRADOS DE ITIRAPINA (SÃO PAULO, BRASIL).

DIENER, COSTA. RUGENDAS E O BRASIL, CAPIVARA, (SÃO PAULO, BRASIL).2012.