desenvolvido por: 

parceiros: 

15 - JACARANDÁ PAULISTA

Machaerium villosum Vogel   (LEGUMINOSAE)

15 - Jacarandá-paulista - Machaerium villosum Vogel (LEGUMINOSAE)

Árvores de 5 a 15 m, caule sulcado, produtor de cortiça e casca grossa. Folhas com 10 a 23 folíolos, oblongos a lanceolados, de 5,6 a 9,4 × 1,7 a 2,2 cm, alternos, de textura áspera. Inflorescência em panícula, partindo da axila das folhas, pendente, com flores pequenas, na cor branco-esverdeado. Fruto de 5,5 a 9,1 cm, alado, tecnicamente chamado de sâmara, com formato de uma espada. Floresce de novembro a janeiro e frutifica de maio a agosto.

Qual seria o jacarandá típico da cidade de São Paulo? Com sua bela floração azul arroxeada, o popular jacarandá mimoso ou jacarandá mimosifolia é na verdade uma planta mais própria da Argentina. Já a elegância mais discreta do jacarandá paulista se tornou mais rara de se ver na cidade. Por que não ficarmos com os dois? Na cidade as duas espécies poderiam ser hermanas, uma vez que o mimoso é comportado e não se torna invasor, enquanto o paulista, além de participar da estética urbana, pode enriquecer áreas nativas. Um exemplo positivo de diversidade biológica e cultural

Distribuição: Nativa do Piauí e Goiás até o Paraná. Encontrada em cerrado, cerradão e em bordas e interiores de matas. Floresce de novembro a janeiro e frutifica de maio a agosto. Botões florais observados em novembro e dezembro, simultaneamente com frutos imaturos. É uma planta em estado vulnerável de conservação.

Situação em São Paulo: Escassa, mas encontramos alguns exemplares em uma área de cerrado na zona sul da cidade.

Como plantar: Plantio por sementes logo após a coleta, germinando em torno de 30 dias. De lento desenvolvimento inicial, pode ser transferida depois de 8 meses para local com luz direta.

Usos: Árvore de bonito porte, usada para arborização de parques e para paisagismo. Entre as madeiras nobres é uma das mais respeitadas.

 

WANDERLEY, M.G.L.; MARTINS, S.E. (COORDS.) BROMELIACEAE IN: MELHEN, T.S. ET AL. FLORA FANEROGÂMICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. INSTITUTO DE BOTÂNICA, SÃO PAULO, VOL. 5, PP: 39-162, 2007.